Sabesp identifica “gato” em ligação de água e proprietário acaba preso

Durante vistoria ficou constatado que a água havia sido cortada, mas o proprietário retirou a peça que obstruía o cano para continuar usando direto da rede e alegou que teria feito a ligação direta da água por não ter recursos para pagar a dívida atrasada

Os guardas civis municipais Petenucci e Alves foram acionados a comparecer em uma residência na Rua Regente Feijó, região da Vila Real, onde funcionários da empresa de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp) identificaram uma ligação clandestina no fornecimento de água. Esse procedimento é popularmente conhecido como “gato”.

No local, segundo informações passadas pela empresa, o medidor havia sido lacrado devido a falta de pagamento. Porém, durante vistoria ficou constatado a fraude. A água foi cortada, mas o proprietário retirou a peça que obstruía o cano e continuou usando direto da rede. Diante dos fatos, o morador alegou que teria feito a ligação direta da água por não ter recursos para pagar a dívida atrasada. O caso foi apresentado junto a 1ª Central de Polícia Judiciária, onde o indiciado foi preso em flagrante por furto qualificado, sendo ele conduzido à cadeia transitória de Itatinga.

Quem é pego desviando água ou energia é autuado por furto qualificado, mas tem direito a fiança. A pena prevista é de um a quatro anos de prisão, além de multa. Mas, se for comprovada a fraude, o crime torna-se inafiançável, com pena de dois a oito anos de prisão mais multa. Além de responder criminalmente pela fraude, o responsável pelo imóvel será obrigado a fazer o pagamento retroativo ao volume de água que não foi cobrado à Sabesp.

Reprodução
Proprietário desobstruiu cano e continuou usando a água direto da rede

Veja também: