A vitória de Temer está nos detalhes

Na transmissão ao vivo da TV Câmara – que é disponibilizada para todas as emissoras de TV aberta - o nome e a legenda de quem estava votando sequer aparecia nos créditos.

Redação Diário | Diário Botucatu
No semblante dos aliados sentados ao seu redor, o verdadeiro clima dentro do governo

Foi um dos dias mais ridículos que já se viu no parlamento brasileiro. Mas menos engraçado e patético do que aquela votação do impeachment de Dilma, no ano passado. Os deputados estavam mais preocupados em cumprir o acordo e tentar confundir os brasileiros menos atentos. Em ano de véspera de eleição, todo mundo quer dar um jeito de aparecer bem na foto. Qualquer foto.

Na transmissão ao vivo da TV Câmara – que é disponibilizada para todas as emissoras de TV aberta – o nome e a legenda de quem estava votando sequer aparecia nos créditos. O microfone, com tempo de 15 segundos para cada um, era cortado toda vez que algum deles ameaçava dizer algo que não podia: como acusar seus colegas de ter se vendido em troca de favores para o governo de plantão.

A forma de votação foi estupidamente preparada. O voto era “Sim” para ser contra. E o voto era “Não” para ser a favor das investigações. Isso fez com que a maioria votasse contra Temer, parecendo ser a favor. E a favor de Temer, parecendo ser contra o cabeça do atual governo.

Aliás, o nome que menos foi citado durante as manifestações de voto dos 513 deputados, foi o do presidente da República.

Os 513 deputados sabem qual é o mercado eleitoral de cada um. Sabem que as faixas menos instruídas e informadas da população, onde se busca a maioria dos votos que garantem seus novos mandatos um atrás do outro, é composta por gente despolitizada, capaz de definir seu voto apenas porque o deputado tal curte suas fotos toda hora no facebook.

E essa condição de ignorância política crônica – em grande parte da sociedade – não têm nada a ver com ser rico, ser pobre ou se achar de classe média. Existem analfabetos políticos em todas as camadas da sociedade. E o voto deles todos também vale 1.

Esse povo não sabe que quem faz isso é assessor de deputado. É a equipe de comunicação que atua atrás do parlamentar que faz você pensar que ele gostou (deu like) da foto do seu cachorrinho ou da sua sobrinha linda, vestida de caipira na festa junina. Deputado também não tem tempo – pelo menos não deveria – de ficar curtindo fotinho bonita no Instagran dos outros com esse furacão todo passando por Brasília.

Aquela turma sempre tranqüila, que está com o burro no coxo, faturando uma graninha boa, salário de multinacional, pra fazer todo mundo gostar do deputado que garante o seu emprego, a sua renda familiar e a sua carreira dentro da máquina das indicações políticas para cargos públicos.

Um caminho sempre repleto de oportunidades para quem tem sabe abrir novas portas para os interesses políticos e pessoais e gosta de trabalhar para deputado forte, do tipo que sabe abrir as pernas do governo, pra colocar lá pra dentro pra mamar nas tetas dos cofres públicos gente que joga junto e sabe atuar com discrição. Se tivesse concurso pra esse tipo de cargo, a grande maioria nem passava da segunda fase.

 Todo político esperto sabe disso.

Veja também: