Novo secretário adjunto de Turismo assume com missão de manter sucesso da pasta

Guto Tecchio, de 47 anos, conta com larga experiência como empresário do ramo. “O desafio é estar do outro lado da moeda”, afirma após posse

Atuando há vários anos como empresário do ramo do turismo e a poucos dias do Brasil Ride, evento muito importante no calendário nacional de ciclismo, Guto Tecchio, de 47 anos, assumiu como secretário adjunto na pasta de Turismo, em Botucatu. “É um desafio imenso. As pessoas ficam rodando 24 horas num circuito muito técnico. A prova está com cerca de 400 inscritos, mais as pessoas agregadas que vêm. Toda equipe tem seu apoio. Ele traz alguém da família ou amigo para apoiá-lo na prova”, disse, em entrevista concedida ao Diário.

Atuando há anos como empresário do ramo do turismo, o maior desafio com a nova função, segundo Guto, é “estar do outro lado da moeda”. “Mas eu acho que vou ter muito a acrescentar, modéstia a parte, porque eu sei das carências, eu sei das coisas boas que já vêm acontecendo. Agora eu espero contribuir muito com a experiência que tenho no segmento do turismo”, afirma.

E eventos relacionados ao esporte de aventura alavancam o turismo, segundo Guto. O calendário do Botucatu Terra da Aventura, projeto realizado pela Secretaria de Esportes, Lazer e Turismo, inclusive, já está pronto. “Estamos com todos os meses fechados com eventos esportivos, com um ou dois eventos por mês. A cidade já tinha tomado uma identidade com os eventos esportivos e isso traz pessoas formadoras de opinião. As pessoas saem falando muito bem da cidade. Isso com certeza traz turistas em outras ocasiões. Elas trazem família ou indicam para amigos pelas belezas naturais da cidade”, frisa.

O interesse do Botucatu Terra da Aventura está numa crescente, segundo o secretário. A ideia é, além de manter os eventos esportivos da cidade, trazer alguns novos. “Os eventos que a gente tinha continuam. Trekking, corridas de montanha, as provas de mountain bike, corridas de aventura. E estão vindo outros eventos. Estamos fechando, dentro do calendário, um campeonato de voo livre, que vai acontecer na Base da Nuvem, nos dias 29 e 30 de abril. E estamos fechando uma etapa do brasileiro de voo livre no segundo semestre”, acrescenta.

Sobre o evento Descubra Botucatu , projeto que promove passeios gratuitos por pontos turísticos da cidade, Guto afirma que o evento será renovado neste ano. “A gente vai dar continuidade ao evento Descubra Botucatu, que no ano passado foi um sucesso. A ideia é estar lançando no mês do aniversário da cidade”, afirma.

Para ele, é importante que os botucatuenses participem do projeto, para que conheçam as belezas da cidade. “Queremos quebrar esse paradigma de que Botucatu não tem nada para fazer. Não tem coisas bacanas para se usufruir no final de semana”, diz.

De acordo com o secretário, o poder público passou a olhar com mais carinho para o turismo há cerca de oito anos. “Desde então, as coisas vêm acontecendo. E isso vem numa crescente muito grande”, afirma.

Para 2017, o que se pode esperar para a área do turismo rural é a realização dos cursos ministrados por Luciana Alho, assessora de Turismo da Prefeitura de Botucatu. Além disso, os folhetos com os restaurantes da cuesta, de Botucatu, São Manuel e Pardinho, serão impressos sem custos aos proprietários rurais.

“Como você sabe, essa recessão está atingindo o país inteiro, e os órgãos públicos também. Vai ser um ano muito difícil, mas já estamos saindo na frente fazendo tudo que aconteceu no ano passado acontecer de novo. Não estamos perdendo nada”, diz.

Para ele, a adesão dos proprietários rurais é um dos fatores determinantes para o sucesso do turismo rural. E o curso técnico oferecido pela Prefeitura é uma base importante. “Mas depende muito do proprietário ter essa visão.

O trabalho da limpeza das estradas, onde devem ser feitas limpezas periódicas, também contribui para o avanço na área. “Já é feita a limpeza, mas você faz hoje e amanhã o pessoal já joga lixo de novo. Tem gente que acha que é descaso do poder público, mas não é. A gente precisa fazer um trabalho de conscientização da população de jogar o lixo no lixo. Não é porque você está numa estrada não pavimentada que você está num lugar de ninguém”, afirma, citando a campanha do Cuesta Limpa, com voluntários e ONGs da cidade que fazem a limpeza da cuesta.

Os proprietários também estão se mostrando mais interessados em ver sua propriedade como um meio de obter lucro, principalmente vendo o bom resultado obtido por vizinhos. “Além de ter uma horta, um pomar ou gado, mas pode receber pessoas. A cada ano aumenta o número de proprietários que abrem seus domínios”, afirma.

Atualmente, o livreto conta com 25 propriedades rurais que contam com o apoio do governo. Para esse ano, segundo a secretaria, outras 3 serão acrescentadas.

A Cascata da Marta, fechada ao público há cerca de sete anos, segue sem previsão de reabertura. No entanto, Guto afirma que o assunto será um dos focos de seu trabalho. “Houve um entrave para viabilizar o dinheiro que está para ser investido na cachoeira. Mas independente disso, é um trabalho que o Turismo e [a secretaria d] o Verde para viabilizar a utilização da cachoeira, por ser uma propriedade pública. Não adianta deixar fechado, porque ainda há visitação. As pessoas ainda vão para lá”, comenta.

 

Envolvimento com a natureza vem de criança

“Sempre tive um envolvimento muito grande com a natureza. Nasci em São Paulo, mas tinha a oportunidade de vir para Botucatu aos finais de semana. Meus pais tinham um rancho no Rio Bonito, então eu cresci lá. Saí da capital e vim para o interior com 17 anos. No começo foi um impacto muito grande. A gente estranha, mas me adaptei rápido. Estava sempre enfiado no meio do mato, trilhas, cachoeiras. Eu tenho essa afinidade com o ambiente natural há muito tempo”.

Em 2000, fez o curso de guia de turismo, se credenciou pela Embratur como guia turístico e passou a se dedicar com maior engajamento à área. “No começo foi mais um hobby, mas depois comecei a me envolver com trabalho de turismo. E eu respiro o turismo em Botucatu há 17 anos. É uma paixão minha. Acredito muito na minha cidade, visto a camisa”, salienta.

 

Vida pública foi “uma grande surpresa”

Sobre o ingresso na vida pública, Guto afirma que se tratou de “uma grande surpresa”. Atuando como empresário do ramo de turismo há tantos anos, ele nunca havia pensado num futuro como parte do governo. “Fiquei muito contente com o convite, porque acaba sendo um reconhecimento do trabalho. Mas eu não tinha nenhuma pretensão”, conta.

Veja também: