Lelo Pagani afirma que conversas para assessorar Fernando Cury estão avançando

Aposta é em uma futura coligação entre os partidos da REDE e PPS

Lelo Pagani: “Talvez na próxima semana possa definir, mas a conversa está bem encaminhada”Sidney Trovão
Lelo Pagani: “Talvez na próxima semana possa definir, mas a conversa está bem encaminhada”

O ex-vereador Luiz Aurélio Pagani, o Lelo (REDE), foi candidato a vice-prefeito em 2016, na chapa encabeçada pelo também ex-vereador Reinaldinho (PSDB). Eles enfrentaram o posteriormente eleito Mário Pardini (PSDB), apoiado pelo ex-prefeito João Cury Neto (PSDB) e pelo seu irmão, o deputado estadual Fernando Henrique Cury (PPS). Agora, Lelo pode assessorar o parlamentar e vislumbra até mesmo uma futura coligação entre seu partido e o do deputado.

Vale lembrar que Lelo também está sendo processado por João Cury. O PSOL acusou o ex-prefeito de ter beneficiado o advogado Junot de Lara Carvalho no aluguel de um prédio por parte da Prefeitura de Botucatu. Sobrou para os acusadores e para o ex-vereador, devido a comentários feitos em uma rede social a respeito do assunto.

Na opinião de Lelo, que foi procurado para comentar seu futuro político, as conversas com Fernando Cury estão avançando e também foi destacada a reestruturação da REDE. “Teve uma nova conversa, mas estamos para sentar e conversar sobre isso e esse seria um dos projetos, de se colocar ideias interessantes, projetos para Botucatu e região, a gente poderia atuar conjuntamente e o partido me deixou muito livre com relação a isso. A REDE pode ser beneficiada em uma possível coligação futuramente. Seria importante para a estruturação de partido”.

O ex-vereador acredita que nos próximos dias a questão possa estar definida. “Talvez na próxima semana possa definir, mas a conversa está bem encaminhada. Agora a conversa que vamos ter é sobre o que ele espera de mim e o que eu espero do mandato dele”, afirma. “Vamos definir as regras para ninguém melindrar ninguém, para fortalecer Botucatu. Esse é meu objetivo e do Fernando também”, garante.

 

Ex-vereador fala em apoiar reeleição de Fernando Cury

Em 2010, Lelo Pagani foi candidato a deputado estadual pelo PT, obteve 18.752 votos no total, sendo 14.203 em Botucatu, e tendo ficado como um dos suplentes de seu partido da época na Assembleia Legislativa.

Lelo Pagani prefere não falar muito sobre candidatura, mas também não se esquiva, afirmando que se necessário, enfrentará a disputa em 2018. Porém, sugere que seria interessante um trabalho para reeleger o parlamentar do PPS que deverá assessorar, pensando em um projeto para a cidade. “Tudo passa pela reestruturação do partido, hoje não sou candidato, não descarto, mas não me vejo candidato porque preciso de uma estrutura que eu não tenho. Sem estrutura seria loucura sair candidato”.

Avaliando o cenário, segundo Pagani, uma candidatura sua apenas tiraria votos de Fernando e não teria estrutura capaz de conseguir garantir a eleição. O representante da REDE comentou também sobre o governo de Mário Pardini.

“Temos que estruturar o partido para saber que caminho queremos seguir, saber a atuação no Município, Estado, União. Não pode fechar pacote e dizer que será igual a Brasília, são atores e grupos diferentes nos partidos. Não dá para criticar o Pardini pela atual administração porque está no início. Converso com o Pardini, tento dar ideias, sugestões, falar de coisas que nos chegam, sugerir caminhos para trazer verbas, buscar recursos fora”, declara.

O momento, para Lelo, é de análise. “Tenho tempo para mim e estou usando para analisar de fora a política, os rumos que serão tomados nas três esferas. Estou no cenário político ainda. Dependendo da organização das pessoas e grupos, posso colaborar de várias formas, não tenho dúvida que vou colocar meu nome à disposição ainda. Toda eleição naturalmente é um momento, uma oportunidade para poder colocar projetos novos, ideias novas para beneficiar Botucatu e região. Aprendi com meu pai [o ex-vereador Oswaldo Pagani], que independente dos problemas que tenha, tem que ir atrás de solução, aproveitar oportunidades nas eleições para colocar isso”.

Veja também: