Em sessão polêmica, cargo de assessor é criado e vereador é empossado

Por conta do afastamento do vereador André Rogério Barbosa, o Curumim (PSDB), que assumiu a secretaria de Participação Popular na gestão do prefeito Mário Pardini (PSDB), o suplente José Fernandes de Oliveira Júnior, o Zé Fernandes (PSDB), foi empossado na quinta-feira (19) em sessão extraordinária da Câmara Municipal de Botucatu que teve início às 13h30. “Tenho que agradecer muita gente. Estou muito feliz. Estou à disposição da população e dos vereadores”, declarou ao assumir o cargo.

Zé Fernandes assumiu o cargo de Curumim, que se afastou para assumir a secretaria de Participação PopularSidney Trovão
Zé Fernandes assumiu o cargo de Curumim, que se afastou para assumir a secretaria de Participação Popular

A primeira sessão ordinária acontecerá apenas em fevereiro e o encontro também marcou o início da gestão do vereador Izaias Colino (PSDB) como presidente da Câmara. Foi colocado em pauta um Projeto de Lei de autoria da Mesa da Câmara criando um cargo de assessor legislativo.

A vereadora Rose Ielo (PDT) usou a tribuna para afirmar que o projeto não poderia ser votado por ferir o regimento interno, que no seu entendimento não permite a apreciação de propostas dessa natureza durante recesso parlamentar.

A colocação da pedetista gerou intenso debate, envolvendo os vereadores Abelardo (PMDB), que chegou a pedir adiamento da votação, mas o mesmo foi rejeitado em plenário; Ednei Carreira (PSB), que não concordava com Rose Ielo e Izaias Colino, sendo que este último declarou se sentir à vontade para debater assuntos jurídicos, por ser advogado, mas lamentou não estar sendo debatida a importância do cargo. Para Colino, outros artigos do regimento interno permitiam a apreciação do projeto.

O adiamento pedido por Abelardo teve seu voto, além dos pedetistas Rose Ielo e Carlos Trigo. Foram contra os vereadores Zé Fernandes (PSDB), Alessandra Lucchesi (PSDB), Ednei Carreira (PSDB), Jamila Cury Dorini (PSDB), Cula (PSC), sargento Laudo (PP) e Paulo Renato (PSC). O presidente só vota em caso de desempate.

Por fim, depois de uma suspensão da sessão por 10 minutos para os vereadores se reunirem o projeto foi votado e aprovado. Os votos contrários foram de Abelardo e Trigo. Rose não estava presente no plenário e, portanto, não votou.

Além da presença dos vereadores que compõem a Mesa Diretora da Casa de Leis Botucatuense, a cerimônia contou com o major Aleksander Lacerda e o prefeito Pardini. Alguns secretários como Curumim e Junot de Lara Carvalho (Relações Institucionais) também prestigiaram a sessão.

Veja também: