Em sessão extraordinária na tarde de hoje (3) vereadores votam subsídio para escolas de samba

Serão votados dois Projetos de Lei de iniciativa do prefeito de Botucatu, Mário Pardini (PSDB), em sessão extraordinária às 16h15 nesta sexta-feira (3), na Câmara Municipal.

Uma das propostas dispõe sobre concessão de subvenção como cooperação financeira para realização do Carnaval 2017 às entidades Escola Gente Unida de Vila Maria e Associação Pérola Negra de Botucatu. O outro trata sobre concessão de direito real de uso de área destinada à Agência Bancária ou PAB – Posto de Atendimento Bancário, nas dependências do Paço Municipal.

Nas redes sociais, algumas pessoas criticaram o apoio para as escolas de samba por conta da crise econômica. Em visita ao Diário na tarde de quinta-feira (2), o ex-prefeito Antonio Mário Ielo (PDT) lembrou que em suas duas gestões esse apoio também era oferecido. Nos dois mandatos de João Cury Neto (PSDB) isso também foi mantido. Mas mesmo antes desses prefeitos, já era dada ajuda financeira com essa finalidade.

Caldas afirma que há três anos o valor repassado às escolas está congelado em R$ 15 milSidney Trovão
Caldas afirma que há três anos o valor repassado às escolas está congelado em R$ 15 mil

Segundo o secretário da Cultura, professor Antonio Luiz Caldas Júnior, há três anos o valor repassado às escolas está congelado em R$ 15 mil, considerando o valor destinado para cada grupo. Este ano, são duas escolas, portanto os R$ 30 mil.

“Pela lei, as entidades beneficiadas com a subvenção serão obrigadas a prestar contas desses recursos. Fora isso, a Prefeitura auxilia o carnaval com a contratação de som, tendas e banheiros químicos. Além, claro, do apoio da GCM e ambulâncias que ficam de prontidão para reforço de segurança e casos de emergência”, diz o secretário.

Em sua justificativa no projeto, o prefeito afirma que “a cidade de Botucatu tem relação tradicional e afetiva com o carnaval, onde em meados da década de 90 havia grande quantidade de escolas de samba e blocos, apoiados pelo poder público, que proporcionavam um carnaval de referência no interior de São Paulo. Mesmo nos períodos de investimento público quase nulo, o público comparecia assiduamente às ruas para assistir aos desfiles de blocos”.