Daniel de Carvalho fala em urgência para resolver déficit habitacional

O PSOL foi o único partido que Daniel se filiou

Daniel de Carvalho é candidato a prefeito pelo PSOLSidney Trovão
Daniel de Carvalho é candidato a prefeito pelo PSOL

De família botucatuense, o candidato a prefeito Daniel de Carvalho (PSOL) nasceu em São Paulo em 1981, época em que seus pais moravam em Osasco. Desde então, somou experiências que o levaram a encarar o desafio de encarar uma eleição, tendo como vice o advogado Gustavo Bilo.

Segundo Daniel de carvalho, se fosse eleito hoje, sua primeira iniciativa seria realizar uma auditoria fiscal “da Prefeitura e de todos os serviços públicos, (de forma) autônoma e transparente, para que todos tenhamos claros os modelos de gestão executados e aprendamos a melhorar a cada gestão a administração pública”. 

A habitação foi um dos temas abordados por ele com o Diário. “Precisamos resolver urgentemente o déficit habitacional em Botucatu. Estudos recentes mostram que temos quase 20% das terras do município ociosos pela especulação imobiliária que dificulta cada vez mais o acesso ao direito social à terra e à moradia. Vamos disponibilizar áreas para moradias populares e enfrentar espraiamento da cidade que nos faz avançar a cidade sobre a malha rural e dificulta o acesso do cidadão da periferia aos benefícios do grande centro”.

O candidato também falou sobre sua trajetória pessoal. Lembrou que mudando para Botucatu foi matriculado no colégio Santa Marcelina, onde foi educado até o final do ginásio. No colegial optou por estudar no SETA e após se formar foi para São Paulo em 1999, onde estudou publicidade na USP. 

Aliás, a faculdade motivou seu encontro com a política. “Desde que entrei na USP participei dos grêmios estudantis, pois precisava me posicionar na luta por meus ideais e via que essa experiência com várias militâncias e posicionamentos muito diversificados seria muito importante na minha formação para o futuro”.

PSOL

“Não fui filiado a outro partido, e escolhi o PSOL após estudar suas diretrizes e sua luta por um projeto de igual, sem qualquer privilegiado ou excluído, como a base para um país justo”. 

Turismo

“Temos um potencial turístico muito grande que não é explorado, e daremos prioridade ao ecoturismo e à cultura descentralizada e diversificada para que todo cidadão tenha acesso a esse conhecimento e a essa fonte de renda”.

 Saúde

“Iremos trabalhar na prevenção ao adoecimento e vamos valorizar o direito de todos à saúde através do reforço do médico da família, descentralização dos prédios da saúde levando os profissionais até onde cada cidadão estiver, e vamos valorizar e qualificar todo servidor público”.