Alckmin pode ser candidato ao senado em 2018

Redação Diário | Diário Botucatu

Governador é hoje o candidato natural do PSDB à presidência da República, mas pode abrir mão da disputa. Se as investigações avançarem e atingirem frontalmente integrantes de seu governo, a preferência pode ser por uma candidatura ao Senado, que garante imunidade parlamentar para se defender sem correr muitos riscos.

A decisão do governador de SP em relação ao cargo que vai disputar nas eleições de 2018 ainda está indefinida, dependendo da intensidade com que os respingos das investigações em andamento atingirem o seu governo e doações recebidas por empresas envolvidas na Lava Jato.

Se estiver inteiro será o candidato natural do PSDB à presidência da República. Até mesmo seu afilhado político, o prefeito paulistano João Dória Júnior, já declarou que não vai apresentar seu nome nas prévias do partido que devem definir o candidato a presidente, segundo ele, “para não jogar fora uma amizade de 37 anos com o governador”.

Caso tenha a imagem abalada pelo noticiário, o que ainda não aconteceu, o governador paulista deve tomar outro caminho, mais seguro sob o ponto de vista político: ser candidato ao Senado em 2018, para garantir um mandato de oito anos e tranquilidade para se defender das possíveis acusações com o escudo da imunidade parlamentar.

Neste caso, o nome de Dória voltaria a ter força para ser alçado direto à presidência pelo grupo de Alckmin, que parece estar se consolidando como o grupo mais forte dentro do partido dos tucanos, depois dos tropeços de outros líderes, como Aécio Neves e José Serra, estes hoje bem encrencados nas investigações em andamento.

Caso Alckmin seja o candidato na disputa nacional, Dória pode pular um degrau e ser candidato a governador, deixando a prefeitura paulistana nas mãos de seu vice, o ex-deputado federal Bruno Covas, que terminaria o mandato municipal em 2020 e ainda teria a possibilidade de ser candidato à reeleição.