FGTS: consultor dá dicas de como usar dinheiro das contas inativas para abrir uma empresa

Planejamento e estudo de mercado são essenciais para quem quer ingressar no ramo empresarial

Planejar e prever as contas, gastos e investimentos é essencialReprodução
Planejar e prever as contas, gastos e investimentos é essencial

A partir de 10 de março quem tem uma conta inativa do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, o FGTS, poderá fazer o saque do dinheiro. A medida foi aprovada pelo presidente Michel Temer e os saques poderão ser feitos por ordem de aniversário até julho.

São mais de R$ 30 milhões que serão injetados na economia nacional e pesquisas apontam que quem vai sacar o dinheiro pretende usá-lo para quitar dívidas ou então investir. Pensando nesta segunda parcela de pessoas é que o Diário procurou o consultor e gestor de projetos de varejo do Sebrae, Henrique Teixeira.

Segundo ele, antes mesmo de sacar o dinheiro, quem pensa em investir deve saber muito bem em que ramo quer atuar e o que precisa para isso. “A primeira coisa que uma pessoa que quer investir um dinheiro tem que fazer é planejar e muito. Investigar se o negócio que ela deseja abrir é viável e para isso é preciso buscar informações sobre as necessidades e desejos de seus possíveis clientes. Abrir um negócio pela intuição, sem pesquisar, é muito arriscado”, explicou Henrique.

Ainda de acordo com o gestor, o momento é delicado para investimentos, e por isso é preciso ainda mais consciência do novo empresário. “Atualmente vivemos um cenário bastante particular. Com a crise econômica que vivemos, as pessoas não estão consumindo mais compulsivamente. Pelo contrário, elas pensam antes de gastar. Com isso, o poder de compra caiu e consequentemente, está mais difícil para uma empresa que está começando”, destacou o gestor.

Por isso, atrair e fidelizar clientes tem sido tão importante. “Uma dica é o futuro empreendedor basear seu negócio no que pensa seu futuro cliente. Ouvir um cliente em potencial, saber o que ele pensa, o que consome e o por que é muito mais fácil para nortear a sua empresa e com isso, conseguir com que essas pessoas que os ajudaram com informações, se tornem de fato clientes de sua empresa assim que ela estiver aberta”, explicou.

 

Quanto gastar para investir?

Ter dinheiro para investir não é garantia de que o negócio dará certo. Saber onde e como aplicar cada centavo pode garantir que a empresa sobreviva aos primeiros anos, que são cruciais para um negócio. O gestor do Sebrae alerta quem quer empreender em não se esquecer de fazer um planejamento financeiro.

“Um negócio não começa com lucro logo de cara e o novo empresário precisa saber disso. O ideal é que ele saiba que precisa ter dinheiro suficiente para investir na reforma e montagem de seu espaço/loja, dinheiro para investir em estoque e também pelo menos para conseguir pagar as contas e comprar mais estoque por seis meses. Muitas pessoas investem tudo o que tem na reforma e primeiro estoque e quando elas vendem esse primeiro estoque, nem sempre receberam o dinheiro do cliente à vista. Aí falta dinheiro para investir em novos produtos e em alguns casos, ela recorre a empréstimos. A situação pode se complicar e afundar o empreendimento. Por isso, ter um capital de giro é tão importante”, destacou o gestor.

Sendo assim, planejar é o segundo ponto crucial para num novo negócio. Colocar na ponta do lápis todos os custos mensais da empresa com impostos, aluguel, estoque e outros gastos, para saber a rentabilidade e o quanto você precisará ter de capital para aguentar nos primeiros meses do negócio.

 

Apostar em negócios “modinha” ou inovações

Nem sempre o que está dando certo para um vai dar certo para você. É comum ver um novo setor começando e logo ver um monte de réplicas pela cidade. Será que isso dá certo? Henrique explica que este tipo de empreendimento “modinha” surge, muitas vezes, de demanda reprimida. “Uma pessoa descobre uma necessidade do cliente e abre um negócio. Falta empresas neste ramo e aí, mesmo que elas se multipliquem, haverá trabalho para todos”, afirma.

Mas, não é porque um setor está em ascensão que você deve investir. “O ponto crucial antes de investir em um negócio é saber o que realmente gosta de fazer. O futuro empresário precisa saber que ele irá trabalhar muito para o negócio dar certo. Quando ele era funcionário, tinha noites livres, finais de semana e feriados de folga e agora não, todos os dias serão de trabalho e trabalho árduo. Por isso, escolher um ramo que ele goste é essencial, assim ele fará com prazer e a obrigação pesará menos”, orienta Henrique.

Ainda de acordo com o gestor, existem diversas outras regras que o futuro empresário precisa conhecer antes de abrir um negócio. “No Sebrae, nós ajudamos as pessoas a descobrirem quais os ramos que ela tem mais habilidades para lidar e também orientamos sobre planejamento financeiro e estratégico. Fazer uma consultoria é essencial para tirar dúvidas e saber que rumo tomar”, salienta Henrique.

 

Informações:
Sebrae Botucatu
Rua Dr. Costa Leite, 1570 – Centro
Telefone: 3811-1710

Veja também: