QUER SER CANDIDATO EM 2018? MELHOR SE APRESSAR

Os partidos é que vão decidir que pode e quem não pode ser candidato

Redação Diário | Diário Botucatu
Os partidos correm atrás de novos filiados para conseguir eleger os mesmos deputados estaduais e federais que são estratégicos. Os nomes novos, servem apenas para ajudar a conseguir juntar votos para garantir mais um mandato para os deputados tradicionais, que normalmente são os mais votados, mas dependem da quantidade de votos dos menos cotados para garantir o coeficiente necessário para mais um mandato parlamentar.

 

 

Quem está com ficha aprovada, está.

Quem não está dentro, (se não correr) não está mais na fila da corrida eleitoral de 2018.
O Congresso Nacional, perdido no meio da pressão da sociedade, não consegue decidir sequer quais serão as regras para as eleições de 2018.

E nesta semana, no dia 7 de outubro, exatamente doze meses antes da data das eleições gerais do ano que vem – caso uma nova previsão legal não seja aprovada – termina o prazo da lei em vigor para a filiação de brasileiros que pretendem ser candidatos a deputado estadual, deputado federal, governador e presidente, nas eleições de 2018.

Portanto, o cardápio de nomes das próximas eleições, a partir desta semana – salvo resolução legal que parece impensável – vai ser decidido mesmo é pelos partidos políticos que estão aí.

Com os nomes que eles já dispõem dentro de si mesmos.

Desse montão de siglas que acompanha os nomes de políticos que aparecem no noticiário da televisão todo dia, algumas ainda podem se reciclar, estão enfrentando fortes debates internos.

Outras não.

A parte majoritária ou integral de seus membros, quer apenas perpetuar os próprios clãs familiares que justificam sua existência.

São os Partidos S/A.

Todo mundo sabe quem é o doleiro, mas ninguém descobre quem é o dono.

Veja também: