O PRIMEIRO ALÍVIO DE JOÃO CURY…

O ex-prefeito de Botucatu João Cury Neto (PSDB) mostra que tem estrela forte, na sua caminhada rumo às eleições de 2018.

Redação Diário | Diário Botucatu
Os argumentos dos advogados de defesa de João Cury conseguiram tirar do caminho, pelo menos momentaneamente, a inncoveniente denúncia envolvendo os kits da empresa Abramundo: contrato R$ 11 milhões com o município.

TUCANOS COMEMORAM ABSOLVIÇÃO DE JOÃO CURY E MINETTO NO CASO SANGARI

O caso Sangari finalmente foi julgado em primeira instância, no Fórum de Botucatu, garantindo ao mais popular dos políticos da cidade, um gol de letra na pré-temporada eleitoral. O juiz Fábio Fernandes Lima, da 2ª Vara Cível de Botucatu,considerou que não constavam nos autos provas de que teriam sido cometidos atos de improbidade administrativa.

O Ministério Público Estadual ainda pode recorrer da decisão, se achar conveniente. Mas mesmo que isso ocorra, provavelmente o julgamento do recurso do MP não deve ser julgado antes das eleições do ano que vem, por isso não devem atrapalhar os planos do ex-prefeito botucatuense.

Redação Diário | Diário Botucatu
Professor e pastor evangélico e ex-presidente do Diretório Municipal do PSDB, o ex-secretário de educação de Botucatu foi candidato a deputado federal nas eleições de 2014, mas não teve o apoio do PSDB. Foi candidato pelo Partido Verde. Caso Sangari era um fardo. Ficou mais leve.

A sentença também absolveu os outros réus: a Abramundo Ciência, que foi a empresa que assinou o contrato com a Prefeitura de Botucatu para fornecer os kits de ciência para os alunos da rede pública municipal, e também o ex-secretário municipal de educação Narcizo Minetto, que dirigia a pasta quando o negócio foi realizado.

A comemoração foi grande entre os amigos, partidários e simpatizantes do ex-prefeito de Botucatu a partir do final da tarde de segunda-feira (25), quando a notícia chegou aos sites de notícia, sendo compartilhada pelas redes sociais com satisfação por centenas de seguidores e apoiadores do atual presidente do FDE-SP, uma liderança emergente entre os tucanos paulistas da terceira geração.

Cury continua sendo a referência política do PSDB de Botucatu, o partido que refundou na cidade em 2006, dois anos antes de se candidatar a prefeito e ocupar, por oito anos seguidos, a mesma cadeira que seu pai sentou durante dez anos alternados.

Antônio Jamil Cury, o pai, faleceu em 2005. Ele foi prefeito de Botucatu durante seis anos em seu primeiro mandato pelo PMDB (1.983-1.988) e governou a cidade mais quatro anos (1.993-1.996) eleito pelo PSDB, onde sempre foi muito ligado ao ex-governador Mário Covas (falecido em 2001), que tinha na cidade um de seus principais redutos eleitorais.

João deve mesmo disputar uma vaga na Câmara Federal pelo PSDB, fazendo uma dobradinha familiar com o irmão, o pecuarista Fernando Cury, que deve tentar mais um mandato na Assembleia Legislativa de SP, onde hoje exerce seu primeiro mandato como deputado estadual. A cidade hoje é governada pelo engenheiro Mário Pardini (PSDB), que foi o candidato escolhido por João Cury para sucedê-lo no comando da prefeitura local.

O vice de Pardini, o servidor municipal de carreira André Peres, é um dos 11 acusados em outro processo judicial envolvendo o primeiro mandato de João Cury. Uma compra de sete toneladas de asfalto que, segundo o Ministério Público, teria sido feita e utilizada sem os devidos procedimentos pela administração municipal.

NAS REDES SOCIAIS, ASSUNTO “BOMBOU” NAS ÚLTIMAS 48 HORAS.

Com o mote, “a turma que torce pro Jacaré perdeu de novo”, os fãs apaixonados do estilo de fazer política de João Cury Neto, foram à forra em todas as redes sociais assim que a informação foi confirmada pelos advogados do ex-prefeito botucatuense. Mesmo com a absolvição em primeira instância, também foram muitos os comentários nas postagens a respeito do tema, contrários à decisão da Justiça.

Por ter sido, em volume de dinheiro (cerca de R$ 11 milhões), o maior negócio realizado pela Prefeitura de Botucatu, o tema Sangari foi um dos mais polêmicos das últimas duas eleições municipais: em 2012 (quando João Cury se reelegeu, vencendo Mário Ielo – este ainda no PT), e em 2016, quando Mário Pardini garantiu a permanência do PSDB no comando político da cidade ao vencer novamente o rival, que havia saído do partido de Lula e se filiado ao PDT.

Durante as duas campanhas, aconteceram acusações fortes da oposição sobre a suspeita de irregularidades na contratação da empresa que forneceu os kits de ciências para as escolas municipais de Botucatu, mas nunca surgiram provas. Quando o Ministério Público denunciou o caso à Justiça, a desconfiança ficou no ar – abalando a reputação dos acusados.

A Justiça agora deu sua primeira opinião sobre o caso. E disse que não existem provas contra João Cury e Narcizo Minetto no Caso Sangari. Cabe ao Ministério Público recorrer e ter uma segunda chance de provar o contrário. Ou arquivar a denúncia, se mudou de convicção. Se isso acontecer, é porque todas as partes entendem que foi feita a Justiça. E ponto final.

Se o caso um dia for reaberto, que se discuta tudo de novo. Por enquanto, é página virada. Tem muito assunto mais interessante na ordem do dia da política regional. Parabéns João Cury! Parabéns, professor Minetto! Uma angústia a menos na vida de dois homens públicos com serviços prestados – e portanto com satisfações a dar sempre que necessário – sobre seus atos à frente do Poder Público Municipal.

Isso também vale para todos os outros cidadãos – de Botucatu (SP) ou de qualquer cidade do país – que já viveram experiências participando como eleitos ou escolhidos dentro da raia política, para servirem ao município em que vivem da melhor forma que puderam, da melhor forma que souberam.

Se em algum momento a nossa comunidade considerar que existem indícios – a qualquer tempo – pra se fazer uma espécie de Lava Jato local, que seja com a responsabilidade e a maturidade que se espera: dos políticos, das instituições e da sociedade.

Que não seja em forma de circo, como a gente vê na minissérie nacional, que até agora não deixou claro se são os políticos, os empresários ou o próprio eleitor, quem colaborou mais para consolidar esse modelo que hoje nos causa indignação na alma.

Tenha um bom dia.

Independente se você acredita ou não acredita qualquer um dos homens e mulheres que exercem uma atividade política são escolhidos para uma atividade importante, fundamental para o equilíbrio na vida em sociedade. Uma carreira que pode ser nobre, mas que nem todo mundo se dispõe a enfiar a vida inteira dentro sem saber no que vai dar. Como qualquer outra, como a que qualquer um de nós escolheu.