NÃO ACREDITE. É TUDO BALELA…

Conversa pra boi dormir, como se diz aqui em Botucatu

Uma terra que só não viu boi voar, como disse uma vez um grande filho seu, político daqueles que ficam na memória; um bom homem, que deixou sauda­de aqui na capital dos bons ares, que fica à beira da Cuesta, cortada pelas me­lhores estradas desse inte­rior paulista.

Uma cidade sempre vi­brante, ambiciosa, e por isso acostumada a esco­lher bem seus políticos. E do tipo que não se furta a retirar de cena alguns de­les, sempre que sente que é necessário. Um pedaço de Brasil composto de esma­gadora maioria que sobre­vive e ganha o pão de cada dia através de um trabalho legal e decente. Gente ho­nesta. Gente digna, do tipo que não aceita coisa errada. Nem que seja por um moti­vo bom.

Gente que não se con­forma ao ver os “canalhas” que já foram grampeados e expostos diante das câme­ras – e todos aqueles outros políticos “profissionais”, que fazem parte de todos os relatórios financeiros obtidos e devidamente che­cados pela Polícia Federal e pelo Ministério Públi­co – como repartidores de dinheiro de propina por serviços prestados com di­nheiro alheio. O dinheiro recolhido do bolso de cada cidadão brasileiro.

É por isso que aqui em Botucatu, de vez em quan­do a gente resolve apostar num político amador. Isso acontece toda vez que a gente descobre que esco­lheu alguém capaz de virar canalha. Não é toda hora. Mas de vez em quando acontece.

Tem dado certo aqui. Pode dar certo no Brasil também. É quando a cidade vota em silêncio. Até 2018.

Tenha um bom dia.