ITATINGA ESCOLHE DE NOVO QUEM VAI SER PREFEITO

Redação Diário | Diário Botucatu

Apenas um, dos quatro candidatos que disputaram a eleição de outubro de 2016, que acabou sendo anulada pela Justiça Eleitoral, vai ter seu nome na urna eletrônica deste domingo. Os outros três candidatos tentam se eleger prefeito da cidade pela primeira vez.

Pedro Manhães
Editor DBPress

Neste domingo (2 de julho) os cerca de 14.000 mil eleitores cadastrados em Itatinga (SP) terão que voltar às urnas para tentar, finalmente, escolher quem vai ser o prefeito da cidade até o final de 2020. Quatro candidatos disputam a eleição fora de época: José Geraldo Celestino (PSDB), Jeremias Aparecido Borba Soares (PSB), Diego Batista (PSC) e João Bosco (DEM).

Depois que o candidato mais votado nas eleições de outubro de 2016, o ex-prefeito Ailton Faria (PSDB), teve o registro de sua candidatura indeferido pela Justiça Eleitoral – por causa de irregularidades no período em que foi prefeito da cidade – a Justiça eleitoral decidiu anular a eleição majoritária e dar posse ao vereador José Geraldo Celestino (PSDB), que assumiu interinamente a gestão da prefeitura no dia 1º de janeiro, para que a cidade não ficasse sem um prefeito. Ele agora tenta permanecer no cargo

Em outubro de 2016, quatro candidatos também disputaram a eleição; o ex-prefeito (2009-2012) da cidade Ailton Faria (PSDB) foi o mais votado com 4.583 votos, mas teve sua votação anulada pela Justiça Eleitoral com base na Lei da Ficha Limpa, depois que as contas da prefeitura de 2011 e 2012, últimos dois anos de seu mandato como prefeito da cidade, foram rejeitadas pelo Tribunal de Contas.

O então prefeito (2013-2016) do município, Paulo Apolo (PV), que tentava a reeleição, foi o segundo colocado, com 3.264 votos (52% dos votos válidos), candidato pelo DEM, o ex-vice-prefeito João Bosco (da gestão de Ailton Faria), foi o terceiro colocado, com 2.777 votos; em quarto lugar ficou o advogado e ex-vereador Júlio Fogaça (PDT), com 192 votos.

Destes, apenas o empresário João Bosco (DEM) formalizou sua candidatura para disputar a nova eleição. O ex-prefeito Paulo Apolo (PV), que foi o segundo colocado no pleito de outubro, decidiu não participar da nova eleição – apesar de não ter nenhum impedimento para isso – por considerar que deveria ter assumido o mandato, ao contrário da interpretação da Justiça Eleitoral.  Ele decidiu também não apoiar formalmente nenhum dos quatro candidatos que se apresentaram para o novo pleito deste domingo. O outro candidato, o advogado Júlio Fogaça também abriu mão da nova disputa.

Veja também: