Botucatu (SP) e Joinville (SC): boas cidades pra ver de perto

Cada uma a seu modo são ótimos lugares pra viver e construir a vida.

 

Pedro Manhães

Pra começar, Botucatu (SP) e Joinville (SC) são duas cidades com alma cosmopolita, lugares que atraíram gente de todos os cantos do país em busca de uma vida melhor. Talvez seja por isso que elas tenham tanta diversidade dentro de um mesmo cenário urbano e convivam com respeito todas as tribos que fazem parte do seu contexto cultural.

A cidade paulista forjou seu futuro inicialmente com os imigrantes italianos. Depois, com sua universidade. Atraiu milhares de jovens em busca de boa formação e fez com boa parte deles, permanecessem na cidade depois da festa do canudo, que aliás, muitas vezes gerou lembranças de absurdas algazarras pelas ruas da cidade.

Joinville nasceu de uma dúzia de famílias de origem europeia, as que fundamentaram suas bases, e de um grande impulso de industrialização que hoje a posiciona como uma das mais vibrantes do país. Atraindo boas cabeças e lapidando talentos, a cidade vai gerando empregos pra tudo quando é lado. Por isso hoje é o caminho preferido de jovens recém formados de várias regiões do país em busca de trabalho.

Em Botucatu, os aviões da Embraer, que hoje cruzam os céus do mundo são considerados um grande orgulho da cidade. Em Joinville, chama a atenção a Metalúrgica Tupy, considerada, há muito tempo, a maior do mundo do seu setor.

Em Joinville pouca gente sabe ou já ouviu falar em Tião Carreiro & Pardinho, praticamente um som cotidiano para quem vive em Botucatu – e acorda todos os dias ouvindo Dirlei Bozzoni – ou participa das tradicionais festas comunitárias, sempre animadas por algumas duplas caipiras.

Por outro lado, as bandas de Rock que se apresentam nas originais casas noturnas de Joinville, mostram que uma imensidão de gente aprecia um som mais pesado, praticamente naquele ritmo forte em que a cidade acorda todos os dias. É o rock de um lado. O sertanejo do outro. E isso não é uma guerra.

Joinville também é uma terra banhada de refinadas cervejas artesanais, uma área em que Botucatu ainda engatinha, apesar de oferecer bons rótulos. A cidade dos príncipes e das flores, como é chamada a maior cidade catarinense está num nível superior, na produção artesanal de bebidas fermentadas, principalmente no que diz respeito ao posicionamento de suas tradicionais marcas e a variedade de sabores à disposição de seus fiéis apreciadores. Gente que sai de casa sempre com endereço certo, em busca da sua cerveja preferida.

Em compensação, as pizzarias de Botucatu dão de goleada nas suas esforçadas colegas joinvillenses. Coisas que a tradição italiana, explica com facilidade. Em Joinville a gastronomia que predomina é a alemã.

No que diz respeito a malha viária e o espaço definido e sinalizado para motoristas pedestres e ciclistas, Botucatu leva vantagem. Além disso, é uma cidade mais fácil para se locomover e melhor sinalizada. Em Joinville quem chega de fora sofre um pouco quando acha que pode dar uma volta no quarteirão. Apesar de bem planejada, sua geografia urbana é bem difícil de compreender sem o uso de um GPS.

Na vida cultural as duas cidades se assemelham. Além de possuírem uma agenda de bons espetáculos ao longo do ano, ambas estão vivendo neste momento, por exemplo, seus bem estruturados e sempre concorridos festivais de inverno. Um é de música. O outro, de dança. Duas artes que combinam, se complementam.

Botucatu e Joinville, são duas cidades que vale a pena conhecer de perto. A experiência é boa.
#comtodasasletras