Obra de José Angelo Potiens entra para o acervo da Biblioteca Pública de Nova York

O escritor botucatuense agora faz parte de uma das principais bibliotecas do mundo com o premiado “O despertar do poema”

Divulgação
“O despertar do poema” recebeu menção honrosa pelo Prêmio Literário Livraria Asabeça e está em fase de pré-lançamento

Há cerca de um mês, o acervo da Biblioteca Pública de Nova York, nos Estados Unidos, recebeu uma novidade com um toque dos nossos bons ares: o livro “O despertar do poema”, obra do botucatuense José AngeloPotiens.

O trabalho é o primeiro do autor premiado a entrar para a biblioteca internacional, uma das principais do mundo, e ele foi pessoalmente fazer a entrega. Para o escritor, a conquista em ter uma obra sua no acervo do espaço é uma “honra literária”.

A obra, agora internacional, reúne 50 poemas de temas variados. “Talvez com alguma predominância de versos românticos. Como diz o prefácio assinado pelo editor João Scortecci, ‘O Despertar do Poema’ é uma conversa com a vida, uma luta profunda do poeta com a própria existência. E ele finaliza dizendo que felizes são os que sabem conversar com o coração”, descreve o autor.

O livro está em fase de pré-lançamento e, por enquanto no Brasil, pode ser encontrado para venda pela internet. Um dos sites disponíveis é o da Livraria Asabeça, pela qual Potiens recebeu menção honrosa em prêmio literário pela obra, e teve parte dos custos com a publicação cedidos pela entidade.

Pelas conquistas, o autor garante aos botucatuenses: não existe essa história de que santo de casa não faz milagre. “Fico feliz em saber que, com o apoio dado por esse jornal, este filho de Botucatu, mesmo há muito tempo longe da terra natal, consegue desmentir a história de que santo da casa não faz milagre. Aproveito para compartilhar com todos os botucatuenses a honra literária de ter um de meus livros em Nova York”, declara Potiens.

 

O despertar para o poema começou em Botucatu

Divulgação
José AngeloPotiens: “Desde bem criança, eu pegava um lápis e escrevia meus versos em papel almaço lá no Bazar Avenida, de meu pai Bruno Potiens”

Hoje morador de São Paulo, o escritor José Angelo Potiens conta que foi em Botucatu, ainda na infância, que começaram seus primeiros passos na escrita. “Desde bem criança, eu pegava um lápis e escrevia meus versos em papel almaço lá no Bazar Avenida, de meu pai Bruno Potiens. Esse bazar ficava no número 548 da Avenida Dom Lúcio. Por volta de meus oito anos, o então Correio de Botucatu publicou meu primeiro poema, ‘Os Pássaros’. Já era o despertar para o poema”, recorda o autor de “O despertar do poema”.

Mesmo longe da terra natal, onde passou a infância e a juventude, Potiens é membro correspondente da Academia Botucatuense de Letras e pode ser encontrado no “Dicionário dos escritores botucatuenses”, de Olavo Pinheiro Godoy. Em Botucatu, ele ainda conquistou o primeiro lugar na categoria Público Geral no concurso dos 150 anos da cidade, em 2005, com a crônica “Praias de Botucatu”. Outra crônica de sua autoria, “Na grande Via Láctea”, pode ser encontrada no livro “Centenário da Escola Normal – Memórias da EECA”.

O escritor, vencedor também do 1º Prêmio Biblioteca Municipal Mário de Andrade de Literatura, do Prêmio de Poesia da secretaria de Cultura de Guarulhos, também faz parte da União Brasileira de Escritores e acumula mais uma menção honrosa do Prêmio Literário Livraria Asabeça, pelo livro de contos “O homem que procurava o Ibirapuera e outras histórias”, inédito, que Potiens adianta que gostaria de ver publicado. “Tenho sete romances inéditos que, se tudo der certo, pretendo publicar. Ainda não estão sendo negociados com editoras, o que é um processo arrastado. Tenho um livro de contos premiado que também gostaria de ver impresso”, conta o autor.

Veja também: