Especial: Vinte anos de Harry Potter

É oficial: Harry Potter acaba de se tornar artigo “vintage”, ou “clássico”, como preferir. Completando 20 anos de idade, a saga do bruxo mais querido da atualidade, ganhou muitos fãs ao longo de suas duas décadas de vida

Reprodução

Em meados de 1997, Tony Blair estava se instalando como novo primeiro-ministro do Reino Unido, a sonda Pathfinder aterrou em Marte, Gianni Versace foi assassinado em Miami Beach e o rapper Puff Daddy, com a canção “I’ll Be Miss You You”, derrubou o sucesso estrondoso da música “MMMBop”, dos  Hanson, que se mantinha firme no primeiro lugar no Billboard, desde então. Foi também nessa mesma época que o mundo conheceu o nome Harry Potter.

No entanto, antes de seu nascimento, veio a história de superação de Joanne Kathleen Rowling, a “mãe” de Harry.

Rowling revelou que tudo começou em uma viagem de  trem entre Londres e Manchester, em algum dia de 1990 – ela não se lembra exatamente qual – quando teve, pela primeira vez, a ideia de contar a história de um bruxo órfão, de óculos. Neste mesmo dia, Harry Potter foi batizado.

Reprodução

Sem um lápis em sua bolsa e sendo tímida demais para pedir emprestado a outra pessoa, Joanne foi conseguir escrever as primeiras linhas de sua nova criação em um café de Edimburgo, na Escócia, onde estava morando depois de viver um ano em Portugal, onde, anteriormente, dava aulas de inglês e havia se casado com um jornalista português, Jorge Arante, com quem teve uma filha, Jessica.

Após o divórcio, quando sua filha tinha apenas quatro meses, Rowling decidiu se mudar de Edimburgo, para ficar perto de sua irmã.

Enfrentar um divórcio com uma bebê nos braços não foi fácil, contudo, a angustia e depressão chegaram após a escritora perder sua mãe. E foi exatamente nesse período sombrio de sua vida que Joanne criou os “dementadores”, criaturas terríveis que guardam a prisão de Azbaban e sugam toda felicidade de suas vítimas, após aterrorizá-las se transformando em seus maiores medos. Os personagens sombrios iriam aparecer somente no terceiro livro da saga Harry Potter, “Harry Potter e o prisioneiro de Azkaban”.

Sete anos após ter escrito seu primeiro livro contando a história de Harry Potter, a autora precisou enfrentar mais um grande desafio: a rejeição. Hoje em dia, pode parecer loucura, mas na época, Rowling teve o primeiro manuscrito da saga recusado por 16 editoras. Sendo que algumas chegaram até mesmo a criticar a história do menino bruxo, a achando sem apelo para boas vendas.

Por sorte, Joanne não desistiu de Harry e continuou oferecendo seu trabalho. Foi quando, finalmente, chegou às livrarias “Harry Potter e a Pedra Filosofal”, primeiro livro da saga, que se tornou, mais tarde, um best-seller mundial.

O primeiro volume, publicado pela Bloomsbury, foi traduzido para mais de 40 idiomas e vendeu milhões de exemplares.

O sucesso foi tanto que chamou a atenção do produtor britânico David Heyman, que buscava um livro infantil para servir de inspiração para um filme.

Em 1999, Rowling vendeu os direitos de filmagem dos primeiros quatro livros da série por pouco menos de US$ 2 milhões. Como característica adicional, a autora alegou que o elenco principal teria de ser de nacionalidade britânica, permitindo algumas exceções, como do ator irlandês Richard Harris (intérprete de Alvo Dumbledore); a fim de manter uma ligação cultural entre o livro e a adaptação.

Em 2001, chegou às telonas “Harry Potter e a Pedra Filosofal”, que bateu recordes de bilheteria em todo o mundo e tornou o bruxinho Harry Potter conhecido pelo mundo inteiro.

Neste mesmo ano, Rowling se casou novamente com o médico Neil Murray, com quem teve mais dois filhos.

Ela contou que continua escrevendo no mesmo café de Edimburgo, onde redigiu as continuações da saga que se tornou febre mundial.

Mundialmente homenageado

O dia oficial do aniversário da saga Harry Potter foi segunda-feira passada, dia 26. E, para comemorar seu 20º ano de história, homenagens diversas aconteceram ao redor do mundo, desde lugares públicos até plataformas virtuais. Fora a típica comemoração em diversos pontos comerciais e turísticos de Londres, outros lugares, sendo reais e virtuais, também comemoraram o aniversário de Harry em grande estilo.

O Facebook comemorou de um jeito bastante criativo: escrevendo o nome “Harry Potter” ou os nomes das casas pertencentes a escola de magia e bruxaria de Hogwarts, criava-se uma animação acionada ao clicar com o mouse sobre as palavras que ganhavam colorações especiais. Uma varinha surgia e um efeito de feitiço era lançado nas telas dos computadores e celulares.

Enquanto isso, no Twitter a hashtag “#HarryPotter20” ganhou um emoji especial em homenagem ao bruxinho.

O Instagram também não poderia ficar de fora: em sua conta oficial, mostrou histórias de fãs da saga contando sobre sua paixão pelo universo criado por JK Rowling.

Já a TV Cultura publicou um vídeo, no qual transforma o clássico Castelo Rá-Tim-Bum em Hogwarts. No curta, Nino recebe uma carta de convite para Hogwarts, a escola de Harry Potter, como se fosse o próprio bruxinho.

O Aeroporto de Brasília também decidiu fazer uma homenagem ao bruxinho. Em meio aos 37 portões de embarque, havia também o de número 9 ¾, sendo uma referência à plataforma de trem na estação King’s Cross, em Londres, que na história do bruxo é por onde se acessa um universo paralelo com direção a Hogwarts.

Reprodução

Veja também: