Túneis da Sorocabana completam 65 anos com exposição no Museu do Café

Na Fazenda Lageado ainda será exibido o documentário “O Túnel”, que resgata a história das obras; mostra encerra a exibição dos trabalhos este ano

 

Nica: “É a história de Botucatu que está aqui”Sidney Trovão
Nica: “É a história de Botucatu que está aqui”

Marcando os 65 anos da inauguração dos túneis da ferrovia Sorocabana – e do novo traçado férreo da linha em Botucatu – nesta quinta-feira (10) estreia a exposição fotográfica “O Túnel” no Museu do Café, a partir das 8h. No mesmo dia, às 20h, será exibido o documentário produzido pelo grupo Aventureiros do Túnel sobre a construção das obras, no anfiteatro da Fazenda Lageado.

O idealizador dos trabalhos, Antonio Carlos dos Santos, o Nica, também proprietário do Museu do Ferroviário, adianta que serão expostos sete painéis de fotos com imagens da época e também de hoje, para que o visitante possa comparar. “É a história de Botucatu que está aqui”, resume Nica.

Para o coordenador do Museu do Café, José Eduardo Candeias, o destaque da exposição é o próprio registro fotográfico. “Se você imaginar voltar 65 anos no tempo não era comum o registro fotográfico como é hoje, quando qualquer pessoa com um celular na mão consegue fazer fotos”, afirma. “E estamos falando de dois túneis, de uma engenharia que começava a fazer experiências, foi uma obra de grande impacto, um pioneirismo”.

Nica explica que os túneis foram abertos para reduzir em 27 km o trajeto entre Botucatu e São Paulo pela ferrovia. Um dos túneis, na Base da Nuvem, conta com 543 m e, o maior, possui 642 m e passa pelo Lageado – por isso a escolha do local para também receber os trabalhos dos Aventureiros do Túnel, que já foram exibidos no Cine Teatro Nelli e no Senac de Botucatu.

De acordo com Candeias, a exposição, que deve ocupar quatro salas do museu, marca ainda a retomada das mostras no local, que já abrigou 43 ao longo dos últimos seis anos. “Iremos juntar a retomada do espaço para exposições e mais esse acervo importante para a ferrovia e o município de Botucatu”.

Cenas foram feitas em caminhadas

O documentário “O Túnel”, produzido pelos Aventureiros do Túnel – grupo de caminhadas também organizado por Nica -, mostra fotos e documentos da época da construção dos túneis e também entrevistas com pessoas que fizeram parte do trabalho. O filme ainda mostra cenas atuais dos locais feitas pelos Aventureiros, que se encontram para caminhar por pontos históricos de Botucatu e região.

De acordo com Nica, a proposta ainda é inscrever o documentário no Festival de Cinema de Gramado.

 

Curiosidades

Pesquisador da história dos túneis e apaixonado por ferrovias, Nica conta que boa parte das pessoas que vieram trabalhar na construção dos túneis eram da cidade mineira de Botumirim, considerada até hoje coirmã de Botucatu. “Tem gente que fala que na época a cidade ficou só com mulheres e crianças, porque os homens vieram todos trabalhar aqui”, brinca Nica. “O Jardim Brasil ainda tem a Praça Botumirim em homenagem a esses trabalhadores”.

Ele completa que, além da construção dos túneis, na época a construtora responsável enviava funcionários para a cidade para executar mais um trabalho. “De domingo eles enviavam os funcionários para cavar a piscina do Botucatu Tênis Clube”, recorda. “Tanto que o dono da construtora, Antonio Azevedo, é sócio benemérito do clube”.

No centro de Botucatu, a empresa ainda ergueu o Peabiru Hotel, que hoje não está mais em funcionamento.

Filme “O Túnel”

Data: Quinta-feira, 10/11

Horário: 20h

Local: Anfiteatro I da Central de Salas de Aula na Fazenda Lageado

Entrada franca

Exposição “O Túnel”

De 10 de novembro a 10 de dezembro de 2016

Horário: De segunda a sexta das 10h às 17h; de sábado, domingo e feriado das 12h às 18h

Local: Museu do Café – Rua José Barbosa de Barros, 1780, Fazenda Lageado

Entrada franca