Quiosque na Izabel Arruda não, mas em frente ao Pronto Socorro Infantil sim

Justificativa do secretário de Comércio e Serviços, Antônio Zorzella Neto é que na praça Alexandre Fleming serão construídos apenas quatro quiosques, enquanto projeto previa 16 na praça Izabel Arruda

Antônio Zorzella afirma que o problema na Praça Izabel Arruda era a grande quantidade de quiosques que seriam construidosSidney Trovão
Antônio Zorzella afirma que o problema na Praça Izabel Arruda era a grande quantidade de quiosques que seriam construidos

Cumprir a determinação do Ministério Público com relação aos trailers da cidade não está sendo a tarefa mais fácil. É difícil contemplar todos os envolvidos e também encontrar espaços que agradem a todos. Uma das soluções encontradas para abrigar os trailers da região do Largo da Catedral era a reforma da Praça Izabel Arruda, para que assim os donos de trailers pudessem construir seus quiosques nesse local. Mas, a pedido da direção e médicos da Santa Casa de Misericórdia, administrada pela Unimed, o projeto foi suspenso.

No início de setembro houve uma reunião com o prefeito João Cury (PSDB), o secretário de Comércio e Serviços, Antônio Zorzella Neto e os donos de trailers, quando estes foram informados que os quiosques não seriam mais construídos na Izabel Arruda. Na ocasião o prefeito colocou que “a direção do hospital estava preocupada com barulho e questões de vigilância sanitária”. Já Zorzella acrescentou que “entendeu o pedido feito pelo hospital, pois antes funcionavam no local três trailers e já havia problemas sanitários, em menor escala e que após a construção do novo hospital da Unimed, passaria a funcionar na Santa Casa de Misericórdia, um pronto atendimento infantil”, destacou. A partir dessa reunião, a Prefeitura passou a buscar uma nova solução para o problema.

O fato é que semanas após o pedido de interrupção do projeto na Izabel Arruda, iniciou-se a construção de quiosques na Praça Alexandre Fleming, em frente ao Pronto Socorro Infantil, na Vila dos Lavradores. Questionado sobre essa discrepância de atitude, o secretário adjunto de Comércio e Serviços afirmou que o problema na Izabel Arruda era a grande quantidade de quiosques que seriam construídos.

Construção de quiosque na Praça Alexandre Fleming está aceleradaSidney Trovão
Construção de quiosque na Praça Alexandre Fleming está acelerada

“O maior problema que houve na Praça Izabel Arruda foi a quantidade grande de quiosques que iam ser construídos. O projeto previa 16 quiosques, por conta desse número grande, o impacto seria grande na região, visto que há nas proximidades um hospital. Na Praça Alexandre Fleming, em frente ao Pronto Socorro Infantil, atualmente estão sendo construídos dois quiosques, veja a diferença de dois para 16, nessa praça o projeto prevê a construção de até quatro quiosques apenas”, justifica Zorzella.

E não está fácil encontrar um local para abrigar os donos de trailers da região do largo da Catedral. Após a interrupção do projeto na Izabel Arruda, a solução encontrada pelo poder público era a praça da igreja São José.

“Tínhamos definido que eles seriam construídos na Praça São José, como vocês chegaram a divulgar, o Conselho Administrativo da Paróquia São José já havia autorizado a construção de oito quiosques no jardim, mas teve uma pressão dos vizinhos da região, circulou um abaixo-assinado dos comerciantes contra os quiosques e o Conselho Administrativo da Paróquia solicitou que nós suspendêssemos a construção. Estamos ainda negociando com o Conselho para chegarmos num entendimento”, explicou Zorzella.

Obra na Izabel Arruda tem previsão de conclusão ainda este anoSidney Trovão
Obra na Izabel Arruda tem previsão de conclusão ainda este ano
Obra na Praça Izabel Arruda tem previsão de entrega até dezembro

Enquanto a solução não chega, os trailers continuam em frente à Catedral de forma irregular, já que após a promulgação da lei, fica proibido qualquer tipo de comércio na área histórica central, além das Ruas Amando de Barros, Major Matheus e Avenidas Dom Lúcio e Santana.

“Todos os trailers parados em frente à Catedral estão irregulares, pois ali, desde a promulgação da lei é um local proibido para esse tipo de prática, mas como estamos caminhando com esse processo todo estamos relevando a permanência deles por um período maior”, afirma Zorzella.

O prazo do TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) determinado pelo Ministério Público encerrou no dia 19 de outubro, mas a prefeitura entrou com um pedido de prorrogação. “O prazo do TAC já terminou em 19 de outubro, mas nos solicitamos ao Ministério Público uma prorrogação do prazo, mas não recebemos ainda a resposta e também não sabemos por quanto tempo isso poderá ser prorrogado”, salienta.

Uma solução que está sendo estudada para alocar os trailers da Catedral é a construção de quiosques na Praça do Paratodos. “Uma saída possível, caso as negociações não caminhem com o Conselho Administrativo da Paróquia São José é a instalação desses quiosques na Praça do Paratodos. Essa é uma praça subutilizada no município, até por conta de ter muita escada, declive, mas ela possui na parte superior um espaço amplo. Mas é preciso ver se os donos dos trailers têm interesse em construir nesse local, nós estamos tentando encontrar todas as possibilidades e ouvir todos os lados envolvidos”, finaliza o secretário.