PIT acumula mais de 5 mil atendimentos

Em três anos de funcionamento e com mais uma unidade instalada no shopping, o Posto de Informações Turísticas atrai ainda próprios moradores da cidade

pit-4Sidney Trovão

Aberto desde 2013, o Posto de Informações Turísticas (PIT) de Botucatu já acumula 5.689 atendimentos. O total é resultado da somatória de pessoas que passaram tanto pela unidade fixa, situada em uma das entradas da cidade, ao lado do Corpo de Bombeiros, quanto pela unidade móvel instalada no Shopping Botucatu desde junho desse ano.

Apesar do intuito de criação do PIT de fazer turismo receptivo, não são só turistas – de outros municípios, estados e até países – que passam pelas unidades da cidade. Só esse ano, entre janeiro e setembro, 896 moradores de Botucatu já estiveram em algum dos postos atrás de informações. Muitos, inclusive, se surpreendem ao ver o tanto de atrativos que a cidade oferece.

“No começo ficamos até impressionados, porque o maior número de pessoas que recebemos aqui foi de Botucatu”, conta Tereza Vasques, uma das atendentes do PIT da Avenida Professor José Pedretti Netto. “Descobrimos que o próprio botucatuense não conhece a sua cidade, então fizemos um banner ‘Conheça Botucatu, você vai se surpreender’ e desenvolvemos duas rotas, a ecológica e a cultural, que a partir do momento que a pessoa sai do PIT ela não precisa de um guia e já tem acesso a hotéis, restaurantes e também aos pontos turísticos”, completa Tereza, sobre o banner que foi reformulado há cerca de um ano e meio, e que conta com informações em português e inglês.

tereza-do-pit-2-3Sidney Trovão

Já quanto aos turistas, a maior parte que chega a Botucatu está em viagem de negócios ou atrás de turismo de aventura. “Tem gente que acha que esses cerca de 5 mil atendimentos do PIT são poucos, mas eu não acho, porque é uma coisa muito  nova, o turismo está crescendo na cidade. Já conseguimos divulgar Botucatu para muitas pessoas, e elas não vêm sozinhas”, coloca Tereza. “Também recebemos muita gente que vem para a Unesp, e depois de passar aqui acaba conhecendo outro lado da cidade, e depois volta para fazer turismo, para conhecer melhor, e até mesmo para morar”, conta Carmen Taborda, que também faz atendimentos na unidade fixa do PIT.

Tereza Vasques destaca a importância da recepção do turista no posto, justamente para promover o turismo. “A primeira pessoa que ele enxerga somos nós, então precisamos fazer um acolhimento. Nosso trabalho é receber bem o turista e divulgar todos os atrativos que a cidade tem para oferecer. Então trabalhamos com a divulgação de hotéis, restaurantes, atrativos ecológicos, culturais, com o intuito de que esse turista retorne, o que nós temos conseguido ao longo dos anos”, afirma. “Temos como intuito também trabalhar com a comunidade da cidade, porque precisamos preparar essas pessoas porque para o turista voltar ele precisa ser bem recebido, e não adianta só recebermos bem aqui se onde ele for a população não o aceitar”, completa a turismóloga.

Primeiro contato: PIT

Sargento Aurélio, quando veio de São Luís para Botucatu, recorreu ao PIT antes de entrar na cidade, que não conheciaSidney Trovão
Sargento Aurélio, quando veio de São Luís para Botucatu, recorreu ao PIT antes de entrar na cidade, que não conhecia

Vindo de São Luís, capital do Maranhão, o Sargento Aurélio do Tiro de Guerra de Botucatu conta que recorreu ao PIT logo que chegou à cidade, em 2014. “Eu vim de carro e nem sabia onde era o TG, até que eu vi o Posto e decidi parar”, recorda. “Fui recebido lá e ela me assessorou com mapas e orientações. A atendente ainda se prontificou que qualquer problema era para eu voltar lá, tendo em vista que eu não conhecia nada da cidade ainda”.

Ele completa que, a partir das informações e do material que recebeu no PIT, é que ele passou a se localizar em Botucatu. Inclusive de pontos turísticos, que ele conta que conhece até melhor do que botucatuenses. “Conheci muitas cachoeiras, inclusive que pessoas que moram aqui não conhecem”, conta o sargento – que também foi bem assessorado pelo grupo Papa-Trilhas, de turismo ecológico, que conheceu aqui. “Aqui é unânime dizer que o clima, para todo mundo que chega, é bom. As pessoas nos recebem de maneira carinhosa, a pessoa se sente bem chegando, mesmo sem conhecer nada”.

Referência em construção

Além de atrair quem procura informações sobre a cidade, a unidade do PIT na entrada de Botucatu também chama a atenção pelo modo que foi construído, com 90% de sustentabilidade. “Foi o primeiro do estado de São Paulo a ser construído nesses moldes”, conta Tereza Vasques. “Serviu inclusive de referência para outras cidades, então tem gente que também vem para conhecer esse molde”, completa a funcionária do posto.

A construção leva, por exemplo, uso de telhas e pisos ecológicos, de sistema de cisternas e iluminação natural, tijolos retirados do lodo, bancos reciclados de garrafas e até lixeiras feitas a partir de tubos usados de pasta de dente. “Já estão sendo utilizadas até como lixeiras domésticas”, afirma Tereza.