O viaduto que custou 1 voto para proteger Michel Temer…

- A obra foi liberada somente depois da votação pela Câmara Federal do pedido de autorização para que o presidente Michel Temer fosse processado por corrupção no supremo Tribunal Federal.

Redação Diário | Diário Botucatu
Ilustração divulgada pela prefeitura mostra como será a configuração do novo viaduto

– O viaduto que vai ligar as regiões Norte (Jardim Cristina) e Leste (Jardim Paraíso) de Botucatu teve ontem o evento político que marcou seu início. O ministro dos transportes Maurício Quintella, esteve na cidade para o anúncio formal. Foi recepcionado no aeroporto pelo prefeito Mário Pardini e pelos deputados Milton Monti (Federal-PR) e Fernando Cury (Estadual-PPS), além de outras lideranças e secretários municipais.

– A obra foi liberada somente depois da votação pela Câmara Federal do pedido de autorização para que o presidente Michel Temer fosse processado por corrupção no supremo Tribunal Federal. A compra de votos para evitar o aprofundamento das investigações foi feita pelo governo com a liberação
de recursos para obras nos municípios de interesse dos deputados, o que acabou livrando o presidente da República de ser afastado e investigado pelos crimes apontados na denúncia do procurador Rodrigo Janot.

– Diversos prefeitos e vereadores da região também estiveram presentes no evento de ontem em Botucatu. Alguns outros municípios do entorno de Botucatu também foram contemplados com investimentos do governo nas negociações envolvendo os acordos para preservar o mandato de Michel Temer.

Rebeca Selpis
Uma cerimônia sem muita festa, marcou o início das obras, ontem no Parque Municipal

– Nos últimos meses, os grupos políticos do deputado Miltn Monti (PR) e do ex-prefeito João Cury Neto (PSDB) – ambos pré-candidatos a deputado federal nas eleições de 2018) disputaram a paternidade da obra.

– Em 2016, antes da presidente Dilma Roussef sofrer o impeachment, o ex-prefeito de Botucatu esteve em Brasília tentando liberar os recursos, com o apoio de deputados e lideranças do PCdoB ligadas ao ex-vice-prefeito Antonio Luiz Caldas, que faziam parte do comando político do governo da ex presidente.

Rebeca Selpis
Mário Pardini: “Uma conquista da cidade, obra importante para o anel viário urbano”

– No final do primeiro semestre de 2017, logo depois que surgiram as gravações envolvendo Michel Temer e o presidente do grupo JBS, Joesley Batista, em agenda programada pelo deputado federal Milton Monti, uma comitiva de Botucatu, da qual fizeram parte o deputado estadual Fernando Cury (PPS) e o prefeito Mário Pardini (PSDB) esteve em Brasília acertando os últimos detalhes para a liberação dos recursos e finalizando os detalhes burocráticos para o início da construção do novo viaduto.

– Ontem o ministro veio a Botucatu para pagar a conta do apoio do deputado federal Milton Monti para evitar as investigações: um belo palco, uma boa claque batendo palma, e os agradecimentos, troca de elogios, abraços e tapinhas nas costas de sempre entre ocupantes de cargos públicos que decidem os destinos da nossa região.

O viaduto terá aproximadamente 140 metros de extensão, 20 metros de altura e 20 de largura. A liberação do valor – que pode chegar a R$ 24 milhões, incluindo o que já foi gasto em projetos – será feita de acordo com o andamento da obra.

Rebeca Selpis
Milton Monti agradeceu ao presidente Michel Temer pela liberação do dinheiro

Segundo a prefeitura, serão gerados cerca de 45 empregos na cidade. A alimentação dos funcionários, a compra de materiais de construção e o aluguel de algumas máquinas serão feitos utilizando o serviço de empresas botucatuenses, gerando recursos para o comércio do município, informou a assessoria de imprensa do prefeito Mário Pardini.

Estima-se que serão transportados para o local aproximadamente 200 mil metros cúbicos de terra. Esta medida equivale a aproximadamente 20 mil caminhões, ou a uma área de aproximadamente 50 mil metros quadrados de extensão por 4 metros de profundidade. Serão utilizados 350 mil quilos de aço, 1900 metros lineares de estaca, tipo hélice e 5 mil m² de concreto, material que deverá ser adquirido pela construtora no comércio local.

Redação Diário | Diário Botucatu

 

 

Veja também: