O desafio de João Cury é bem maior do que ele pensa…

Redação Diário | Diário Botucatu
Cury e o desafio: uma cadeira em Brasília tem seu preço

A intenção do ex-prefeito de Botucatu e atual presidente do FDE é mesmo ser candidato a deputado federal pelo PSDB nas próximas eleições. O desafio vai ser mostrar se ele tem mesmo bala na agulha para ser um dos mais votados, já que é difícil pensar em sucesso na empreitada se sair das urnas com menos de 100 mil votos, normalmente a nota de corte dos candidatos de seu partido à Câmara Federal.

Do ponto de vista regional, seu principal adversário deve ser mesmo o deputado federal Milton Monti (PR). Mas outras candidaturas mais jovens e menos testadas eleitoralmente também devem surgir para movimentar o cenário eleitoral na região de Botucatu.

Num embate do tamanho que se desenha, com a disputa direta entre os dois líderes políticos mais tradicionais deste pedaço do Brasil que fica no entorno da Cuesta, tem gente de olho no espaço que pode surgir no meio disso tudo, com um discurso de renovação, para alimentar uma terceira via, posicionando um novo grupo político no mapa eleitoral da região.

João Cury tem neste momento um dos cargos com mais visibilidade na área educacional do Governo do Estado. Nomeado por Alckmin para a chamada galinha dos ovos de ouro da Secretaria da Educação (é do FDE que saem os projetos e o dinheiro para reformas, ampliações e construções de novas escolas públicas estaduais), João Cury tem um bom cartão de visitas para seduzir prefeitos, vereadores, lideranças do setor educacional a engrossarem fileiras ao seu lado em sua empreitada rumo à Brasília.

O ex-prefeito de Botucatu já mostrou que tem estrela, resta saber se ela vai continuar brilhando da mesma forma em uma eleição em que os políticos tradicionais talvez enfrentem seu maior desafio: mostrar que alguns deles podem ser diferentes, daquilo que a sociedade enxerga neles todos como um padrão.

No meio disso tudo, ainda deve acontecer o julgamento do caso Sangari, que envolve a contratação de uma empresa para atuar na área educacional da prefeitura de Botucatu. O contrato, de cerca de R$ 9 milhões, dos quais cerca de 70% foram efetivamente pagos pelo município – foi questionado pelo Ministério Público.

O resultado do julgamento pode significar um balde de água quente ou uma ducha de água fria nos objetivos de curto prazo do filho mais velho de Jamil Cury: e definir de uma vez por todas se o seu futuro político continua mesmo sendo promissor. Por enquanto, parece que o cavalo está passando arriado na sua frente. Basta saber montar.

Outro problema enfrentado normalmente por quem ocupa um cargo de projeção pulverizada, podendo agir em todos os municípios paulistas, é a constante bronca dos candidatos a deputado que vêem sua região ser “invadida” por aqueles que, como João Cury, tem um cartão de visita que abre qualquer porta dentro da máquina pública estadual, como é o caso da presidência do FDE.

É aí que mora o perigo: é o lugar onde os inimigos são íntimos, vestem camisa da mesma cor, defendem o mesmo lado, mas querem fechar seu cercadinho regional com cerca de arame farpado para impedir a entrada de estranhos no seu curral (eleitoral). E João Cury sabe que vai precisar buscar pelo menos a metade dos votos que precisa, bem longe da terra natal, na eleição que deve ser a mais fiscalizada da história do país.

Cury passa o dia na região e tucanos fazem churrasco

O primeiro investimento feito em Botucatu pelo FDE depois da posse de João Cury como presidente do órgão, foi a revisão da cobertura da quadra e do prédio da Escola Raymundo Cintra, no distrito de Vitoriana, que já foi concluída e teve um investimento de R$ 58 mil.

As obras de adequação da Escola Pedro Torres, que será autorizada hoje, tem um custo estimado em R$ 90 mil. Na manhã desta sexta-feira, em Itatinga, também vai ser autorizado o início das obras de reforma da Escola Danuzia de Santi, no valor de R$ 368 mil.

Aproveitando a presença de João Cury na cidade hoje (4) para autorização do início de obras de reforma e adequação da Escola Estadual Pedro Torres, no bairro do Lavapés, os tucanos de Botucatu resolveram marcar uma confraternização no período da noite: um churrasco por adesão (R$ 40), na sede do partido, na rua Dr. Cardoso de Almeida.

Veja também: