Moradores do Distrito do Lobo temem fuga no CDP de Itatinga

Após rebelião ocorrida em Bauru na semana passada, população que vive a 4 km do Centro de Detenção Provisória pede policiamento no distrito

O Centro de Detenção Provisória de Itatinga foi inaugurado ano passado com capacidade para 842 detentos; de acordo com a SAP, 712 presos estão no localSidney Trovão
O Centro de Detenção Provisória de Itatinga foi inaugurado ano passado com capacidade para 842 detentos; de acordo com a SAP, 712 presos estão no local

Ainda hoje a população da região sente os efeitos da insegurança após a rebelião ocorrida em Bauru na última terça-feira (24). Na ocasião, 152 presos do Instituto Penal Agrícola e do Centro de Progressão Penitenciária (CPP) 3 fugiram. De acordo com dados da secretaria da Administração Penitenciária (SAP) do estado de São Paulo, 118 detentos que estavam foragidos foram apreendidos pela Polícia. Com isso, 34 continuam foragidos.

Em entrevista ao Diário após o ocorrido, o capitão da Polícia Militar de Botucatu, Alexandre Cagliari, orientou que a população da cidade ficasse atenta. “Estamos próximos de Bauru e Botucatu possui um entroncamento rodoviário importante no estado, que pode ser procurado como rota de fuga”, afirmou.

Mais do que os botucatuenses, moradores do Distrito do Lobo, área pertencente ao município de Itatinga, estão preocupados com as últimas notícias vindas de Bauru. Localizado a 4 km do Centro de Detenção Provisória (CDP) da cidade, o distrito não transmite mais tanto a antiga sensação de tranquilidade às cerca de 80 famílias que vivem lá, que temem uma possível fuga dos detentos do CDP.

Lourdes Schneider: “Somos todos reunidos, companheiros, mas dá medo, sim”Sidney Trovão
Lourdes Schneider: “Somos todos reunidos, companheiros, mas dá medo, sim”

Para a moradora Lourdes Schneider, desde que a unidade do CDP foi instalada próxima ao distrito, em setembro do ano passado, a população passou a ficar mais receosa. “Nós dormimos todos tranquilos, de portas abertas, sem cadeado, são muitas famílias e somos todos reunidos, companheiros, mas dá medo, sim”, afirma.

O irmão dela, Ismael Schneider, destaca que uma vantagem do CDP é que o distrito passou a ficar mais movimentado depois que o local começou a funcionar, mas, ainda assim, eles sentem falta de um policiamento mais efetivo nas ruas. Lourdes ainda recorda de uma briga entre famílias ocorrida na última semana, em que moradores chamaram a polícia, mas nenhuma viatura foi até o local. “O ideal seria que eles ficassem direto”, opina a moradora.

João Mendes Barbosa passou a fechar as portas do seu estabelecimento mais cedoSidney Trovão
João Mendes Barbosa passou a fechar as portas do seu estabelecimento mais cedo

Proprietário de um estabelecimento no Distrito do Lobo, João Mendes Barbosa, nascido e criado no local, concorda que falta policiamento. Ele conta ainda que, após a rebelião em Bauru, por receio, passou a fechar as portas do seu estabelecimento mais cedo. “Tudo é possível, pode acontecer [uma possível fuga de internos do CDP], inclusive tem escola ali perto com muitos alunos, crianças, se pegar uma daí complica, não dá mil quilômetros em linha reta”.

Barbosa, que também é suplente do juiz de paz, disse que a reclamação dos moradores já chegou ao juiz. “Conversei com o juiz e ele disse que a segurança [no CDP] é muito forte, que é muito difícil que aconteça alguma coisa”.

Ainda assim, Barbosa não descarta a necessidade de um policiamento no distrito, que não possui nem posto policial. “Precisa de um policiamento mais próximo, inclusive o ex-prefeito [de Itatinga, Paulo Apolo] prometeu isso para nós, e esse recente [Ailton Faria, que aguarda análise de medida judicial para assumir a prefeitura, pois foi impugnado] também, um posto policial, e nós estamos aguardando, quanto mais rápido, melhor”.

 

ALOJAMENTOS DE BAURU DEVEM SER DESATIVADOS

Em nota, a secretaria de Administração Penitenciária (SAP) do estado informou que detentos de Bauru devem ser realocados e que parte dos alojamentos do CPP 3 deve ser desativada.

“Está prevista a remoção de presos para outras unidades de regime semiaberto, mediante a necessidade de adequação da população, visto que diante dos atos de subversão à ordem e segurança ocorridos no último dia 24, parte dos alojamentos deverão ser desativados. O restante da população está abrigado nos alojamentos que não sofreram avarias ou que foram pouco danificados. Todos os presos envolvidos no episódio e os apreendidos regredirão ao regime fechado”, informou a SAP.

Veja também: