Campanha de remoção de lixo do Tietê realiza coleta com oito caminhões

Durante todo o ano os pescadores do Rio Bonito recolheram materiais do rio. Lixos recicláveis foram vendidos e os demais, encaminhados ao aterro de Botucatu

Barcaça com lixo atracou em porto no Rio Bonito. Materiais foram recolhidos por pescadores da regiãoCinthia Souza | Diário Botucatu
Barcaça com lixo atracou em porto no Rio Bonito. Materiais foram recolhidos por pescadores da região

Neste final de semana foi feita a grande coleta de lixo do rio Tietê, em Botucatu. A ação foi organizada pelo Grupo Ambiental, um grupo que reúne empresas que atuam no ramo do meio ambiente, e representantes da Prefeitura, Polícia Militar Ambiental, Cetesb, e UNESP, e já dura quatro anos.

A campanha funciona da seguinte forma: os pescadores da Colônia do Rio Bonito aproveitam o período de piracema (época em que os peixes estão em fase de procriação e por isso a pesca fica proibida) para limpar o rio. Eles saem ao longo do leito do Tietê, em Botucatu, pegando todo o lixo que encontram pela frente. O material recolhido é triado entre o que pode ser reciclável e o que deve ir para o aterro. Todo o lixo reciclável era encaminhado à cooperativa de reciclagem de Botucatu. Em contrapartida, os pescadores recebiam R$ 10 mil, dinheiro usado para investir em combustível para os barcos quando a piracema acabar, além de poder fazer a manutenção de redes e instrumentos de pesca.

“Nós fazíamos uma parceria com as empresas privadas e por isso conseguíamos pagar esse valor. Mas este ano tivemos novidade, que aumentaram o faturamento dos pescadores e isso ao longo de todo o ano”, explica o capitão da Polícia Militar, Gustavo Henrique dos Nascimento, um dos organizadores da ação.

A mudança a que o capitão se refere é a coleta de lixo ao longo do ano. Os pescadores recolheram materiais do rio desde janeiro e puderam, aos poucos, vender os produtos e conseguir um dinheiro extra. “Esse foi um diferencial muito grande. Os pescadores ficaram mais animados em saber que poderiam contar com a venda direta do lixo. E o dinheiro da parceria com as empresas privadas será usado para comprar uma picotadora de lixo, que vai agregar mais valor ao material na hora da venda”, afirma o capitão.

Outro reflexo importante nesta ação é a quantidade de lixo retirada do rio. “O rio é importante para a pesca e para o turismo. E ver essa ação nos deixa muito felizes. Mas o que chama mais a atenção é que neste ano retiramos menos materiais. No ano passado foram mais de 20 caminhões cheios e, neste ano, foram 8. Isso significa que as pessoas estão criando consciência ambiental e jogando menos lixo na rua”, conta Perseu Mariani, secretário de Meio Ambiente de Botucatu e parceiro do projeto.

A campanha para retirar o lixo acontece na extensão do Rio Tietê em Botucatu, mas para os próximos anos a intenção é ampliar a atividade. “Como estamos fazendo isso há 4 anos, as notícias estão correndo rio acima e já tem cidade com a intenção colocar essa ação em prática. Para nós é ótimo, porque sabemos que o lixo vem da parte de cima do rio, principalmente da capital paulista. Se cada um fizer sua parte, vamos conseguir que o Tietê fique cada vez mais limpo”, finaliza o capitão da PM.