Acabei a faculdade. E agora?

 

Reprodução

O fim do ano letivo se aproxima e, no caso dos alunos formandos, há grande expectativa em relação às cerimônias de colação de grau e bailes de formatura. É hora de pensar nas becas, nos convites, no vestido ou smoking para a festa, nas fotos, nas celebrações, enfim… no tão sonhado diploma. Não é nenhuma novidade que um diploma de curso superior representa um reconhecimento social e traz maiores e melhores oportunidades em um mercado de trabalho cada vez mais competitivo.

 

É exatamente nesta fase, ou seja, na conclusão de um curso de graduação, que surgem as seguintes questões: e agora, o que fazer? Qual o melhor caminho a ser trilhado: um MBA (Master of Business Administration)? Um mestrado? Um curso de extensão? Devo pensar nisso já ou esperar um pouco mais? São perguntas comuns e, infelizmente, poucas são as orientações sobre os possíveis trajetos a seguir. Na verdade, poucos são os estudantes do último ano de graduação que sabem distinguir estes termos. Com o objetivo de auxiliá-los sobre este fato, aí vão algumas explicações.

 

Um curso de extensão é destinado a graduados e não-graduados. Assim, não pode ser considerado como um curso de pós-graduação. Na verdade, muitas vezes estes cursos são citados como de extensão universitária e é esta terminologia que acaba causando confusão. Eles não têm como pré-requisito a graduação em curso superior e são abertos à sociedade, ou seja, qualquer pessoa pode se inscrever desde que atenda os pré-requisitos estipulados pelas próprias instituições. Possuem cargas horárias reduzidas (geralmente, entre 20 e 80 horas) e, ao final, o aluno recebe um certificado de conclusão. Representam uma boa opção para aqueles que desejam atualizar seus conhecimentos e reforçar as suas redes de contato no mercado de trabalho. Mas lembre-se: são cursos livres. Qualquer instituição de ensino superior pode oferecê-los sem necessidade de autorização do Ministério da Educação (MEC).

A pós-graduação é dividida em lato sensu, expressão que em latim significa “em sentido amplo” e stricto sensu, que significa “em sentido estrito/específico”.

 

Os cursos lato sensu são regulados pelo MEC e têm, no mínimo, 360 horas de duração. Enquadram-se nesta modalidade os cursos de especialização e os MBAs. Visam aprofundar os conhecimentos adquiridos pelos estudantes na graduação. Os processos seletivos ocorrem, geralmente, por meio de análise de documentação e/ou entrevistas. Ao término da integralização dos créditos,  o aluno deve apresentar uma monografia e, posteriormente, recebe um certificado de conclusão.

 

Os cursos de mestrado e doutorado se enquadram na categoria stricto sensu e têm como objetivo a formação de docentes e pesquisadores, de forma a desenvolver a competência científica. A duração máxima varia de acordo com cada curso, sendo, no cenário mais comum, dois anos para o mestrado e quatro anos para o doutorado. Ao término, os estudantes recebem um diploma com a referida titulação acadêmica, após a defesa de dissertação (para o mestrado) ou de tese (no caso do doutorado). Vale ressaltar que estes tipos de cursos são avaliados pela CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e recebem notas entre 3 e 7. Os processos seletivos são bem mais rigorosos quando comparados aos dos cursos lato sensu e envolvem provas específicas, apresentação de projeto de pesquisa, comprovação de fluência em outros idiomas, entrevistas etc.

 

Independente da decisão a ser tomada, é necessário ter consciência de que ela deve estar alinhada ao seu interesse e ao seu plano de carreira. Outro ponto importante é entender que o conhecimento nunca é demais e que quando um ciclo acaba, outro começa. Isso significa que você vai estudar a vida toda, buscando complementação e atualização desses conhecimentos. O sucesso pessoal e profissional depende de você: de dedicação e força de vontade. E não se esqueça de que todo o esforço é recompensado. Limite só existe para quem pensa pequeno.

Divulgação

*Professor universitário na Faculdade Iteana de Botucatu, Doutor em Energia na Agricultura UNESP FCA e Mestre em Tecnologia pelo Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS).

Veja também: